Intimidade

Intimidade Meu coração tem quantos versos quer;
É só pulsá-los com medida e rumo.
É só erguer-se a pino a um céu qualquer,
E desse alado azul cair a prumo.

Logo se desvanece o negro encanto
Que os tinha ocultos no condão da bruma;
Logo o seu corpo esguio rasga o manto,
E mostra a humanidade que ressuma.

Mas quanto ele sangra para os orvalhar
De ternura, de sonho e de ilusão,
São outros versos. . . para segredar
A quem é seu irmão.

Miguel Torga, in 'Diário (1943)'

5 comentários:

  1. Há de ser belo,compartilhado,lido.
    'Mais razão há que queira eterna glória,
    Quem faz obras tão dignas de memória.'(Camões)

    ResponderExcluir
  2. Estou Feliz por fazer parte deste saite um abraso e um beijo para todos

    ResponderExcluir
  3. Adorei tudo pena que nao posso compartilhar beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem como compartilhar para o facebook e google +.Obrigado pela visita

      Excluir